segunda-feira, 22 de julho de 2013

Décimo Quinto dia de Peregrinação dos Símbolos da JMJ


            A Cruz Peregrina e o Ícone de Nossa Senhora estiveram na manhã de sábado, 20 de julho, na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, na Ilha do Governador. Com a presença dos Símbolos da JMJ, Dom Orani João Tempesta presidiu a Santa Missa, transmitida ao vivo pela Rede Vida de Televisão, WebTV Redentor e Rádio Catedral FM.
Centenas de fiéis, entre paroquianos, peregrinos e voluntários de diversas partes do país e do exterior, participaram de maneira fervorosa da Celebração Eucarística. Com bandeirinhas verdes, amarelas, azuis e brancas, os fiéis louvaram a Deus e deram um colorido todo especial à Missa, que teve momentos da liturgia em diferentes idiomas, como um novo Pentecostes renovando a juventude que se prepara para o encontro com o Papa Francisco.


            Após a Celebração Eucarística, os Símbolos da JMJ seguiram para as unidades do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Novo DEGASE), que também estão situadas na Ilha do Governador. Os adolescentes privados de liberdade tiveram a oportunidade de viver momentos de muita fé e emoção.
            Os Símbolos passaram primeiro pelo Centro de Socioeducação Gelso de Carvalho Amaral (CENSE-GCA), uma unidade masculina. Durante a celebração de acolhida dos Símbolos, o Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro Dom Pedro Cunha Cruz explicou aos adolescentes um pouco da história da JMJ e do significado dos Símbolos.
            “Deus só tem um Filho e por um gesto de amor o entrega a cada um de nós. Aí está a beleza deste momento que estamos celebrando”, afirmou Dom Pedro, falando sobre a Cruz da Jornada. 
Padre Aldo de Souto Santos, Assistente Eclesiástico da Pastoral dos Menores Privados de Liberdade, ressaltou que a visita dos Símbolos foi um momento muito forte na vida dos adolescentes do GCA: “Eles ficaram muito honrados e estavam ansiosos para participar deste momento único. Quando eles ficaram sabendo que três papas e jovens do mundo inteiro tocaram nesta cruz, acabaram se identificando com a história da salvação, que foi por causa da cruz que o Nosso Senhor nos redimiu do pecado da morte.”
A segunda casa visitada foi a unidade feminina Professor Antônio Carlos Gomes da Costa (CENSE-ACGC). As adolescentes receberam a Cruz com uma chuva de pétalas de rosas. Padre Jefferson Merighetti, Diretor Executivo do Setor Pré-Jornada, fez uma síntese da história dos Símbolos da JMJ. “Vocês também fazem parte deste plano da Jornada Mundial da Juventude”, afirmou Padre Jefferson, referindo-se às adolescentes privadas de liberdade. Era dia de visita e os familiares das jovens também tiveram a oportunidade de participar da celebração de acolhida dos Símbolos. As meninas e seus familiares se emocionaram ao visitar a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora. Ao final da celebração, as jovens receberam um terço das mãos de Dom Pedro Cunha. 

     
           Em seguida, os Símbolos da Jornada passaram na casa masculina Dom Bosco. Era dia de visita e os familiares participaram e rezaram aos pés da Cruz Peregrina pelos adolescentes. Foi um momento de muita emoção. “Jesus vem falar que a cruz pode se tornar momento de graça, de bênção na nossa vida”, afirmou Padre Aldo. O Vigário Episcopal da Leopoldina, Pe. Alex Siqueira, trouxe palavras de esperança para os adolescentes e familiares: “A cruz é a expressão máxima do amor de Deus por nós. Precisamos acreditar que podemos ser melhores, que podemos fazer algo novo com Deus. Que Deus fortaleça todos vocês.” Antes de seguir para a outra unidade do DEGASE, os adolescentes carregaram a Cruz para o alojamento, a fim de que os outros adolescentes, que não receberam visita de parentes, tivessem a oportunidade de tocá-la.
            Encerrando a tarde, os Símbolos da JMJ seguiram para a Escola João Luiz Alves. Na unidade masculina, os adolescentes privados de liberdade integrantes do coral cantaram o Hino da Jornada ao lado da Cruz Peregrina. Também era dia de visita nesta unidade e os familiares tiveram a oportunidade de participar. Marlucia Silva dos Santos, que estava visitando o sobrinho, declarou: “Eu me senti honrada e emocionada porque sei que eu não teria uma oportunidade como essa. Eu adorei participar e pedi a intercessão de Maria por meu sobrinho”. Padre Aldo frisou que Deus não esquece de nenhum dos seus filhos. A mãe Érica Fernandes, evangélica, participou deste momento de fé e emocionada fez uma oração por todos os jovens que se encontram na unidade.



O coordenador da Assistência Religiosa do Adolescente Privado de Liberdade, da Arquidiocese do Rio de Janeiro, Roberto José dos Santos, preparou este momento com os adolescentes da Escola João Luiz Alves: “Eu fiquei muito feliz em ver a sensibilidade, a adesão, a acolhida dos jovens, o que representa uma esperança de que a vida deles não está perdida. A gente tem que continuar acreditando e fortalecendo dentro deles a semente do amor que Deus semeou na vida deles, que a violência escondeu, mas não apagou. A Jornada Mundial da Juventude é uma oportunidade, mesmo com eles aqui dentro, deles poderem estar ligados a este espírito da cidade do Rio de Janeiro, descobrindo que Jesus é a esperança e a razão de suas vidas”. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário