quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Coroação encerra festa da Penha

Com a presença de cinco mil fiéis, o Arcebispo Dom Orani João Tempesta encerrou neste domingo, 31 de outubro, as festividades em honra de Nossa Senhora da Penha, na Zona Norte do Rio.

A tradicional procissão com a imagem histórica da padroeira teve início às 15h, seguida pela Banda do Colégio Nossa Senhora da Penha, Ministros Extraordinários as Sagrada Comunhão, animadores de capelinhas, e um grupo de doze casais, as “Damas e os Cavalheiros”, formado para incrementar a festa de cada ano.

Também fez parte da procissão um andor do Sagrado Coração de Jesus e bandeiras com o ícone da padroeira. Diferente dos anos anteriores em virtude das eleições, o trajeto da procissão foi bem menor. Entre os presbíteros presentes, o vigário episcopal Monsenhor Luiz Antônio Pereira Lopes, do Vicariato Leopoldina, e o Padre Alceu Luiz Weber, da Paróquia Bom Jesus da Penha.

Na homilia, Dom Orani lembrou que o Santuário da Penha, além de sua beleza como patrimônio religioso é também um símbolo de fé, que deve servir de sinal para os cristãos. Nesse sentido, fez uma exortação aos cariocas e a todas as pessoas que visibilizam de longe o Santuário, até os que estão em transito pelo aeroporto.

- Ao olhar para a Penha, no alto do rochedo, devemos lembrar que os alicerces da nossa “casa”, da nossa vida, deve ser construída sobre Jesus Cristo. Ele é o único fundamento, e por isso, a certeza que a nossa casa não será destruída com as ventanias da caminhada, afirmou.

Ao sublinhar o termino da festa da padroeira no mês missionário, lembrou que grandes celebrações devem servir para reavivar e aprofundar a vida de fé. Que a exemplo de Maria, a “Estrela da Evangelização”, os cristãos devem viver como discípulos missionários, tanto pelo anuncio explicito do Evangelho como pelo testemunho de vida.

Antes de ser conduzida até o Santuário pelas escadarias, a imagem histórica de Nossa Senhora da Penha recebeu várias homenagens. Até o ato da coroação das imagens do Menino Jesus e de Maria, houve muitas apresentações de danças, realizadas por várias turmas do projeto “Luar da Dança”. Também foi interpretada a canção “Romeiro da Penha, por Nair Araujo.

- A minha devoção por Nossa Senhora da Penha começou ainda quando criança. Meu pai fazia questão de vir na festa da padroeira e trazia toda a família. Ainda hoje, venho aqui na esperança de conseguir por Maria, as graças de Deus, afirmou Teresinha Teixeira da Silva, do bairro Irajá.

No final, Padre Serafim fez vários agradecimentos, destacando a riqueza da festa deste ano, iniciada no dia 3 de outubro, com a consagração do novo altar do Santuário, a apresentação do novo manto da imagem da padroeira e, na conclusão, com o show do cantor Jerry Adriani.

- Temos muito que agradecer neste ano em que celebramos os 375 do Santuário e os 75 anos da agregação à Basílica de Santa Maria Maior, em Roma. Também pedimos as bênçãos de Deus para que nosso Santuário possa ser reconhecido com o titulo de Basílica, e que possamos dar inicio a construção de um novo santuário, afirmou o Reitor.

Para a coordenadora da equipe de Liturgia, Ana Lucia Soares da Silva, foi uma das melhores festas dos últimos anos. O conjunto de atividades contribuiu para a integração da comunidade. Fez parte da programação a lavagem da escadaria, a procissão luminosa e caminhada da juventude, a visitação do museu e da exposição dos quadros dos títulos de Maria, além tradicionais barraquinhas com comidas típicas

- Foi um mês inteiro de muitas atividades religiosas culturais. O nosso Reitor, Padre Serafim, foi incansável. Sob sua coordenação trabalhamos com alegria, o que tem contribuído para tornar nossa comunidade mais unida e fraterna. Foram formadas várias equipe, cerca de 300 pessoas envolvidas, tudo para proporcionar uma boa festa, afirmou.

Notícia enviada por Carlos Moioli.

Nenhum comentário:

Postar um comentário